Publicações

Você está em: Home > Publicações > Tendência da publicação corporativa

Tendência da publicação corporativa

Postado por: Edison Fernandes Seção: Contabilidade, Societário – 27/01/2014 às 12h51.

Nestas férias de fim de ano, presenciei, ao vivo, uma cena que só havia  visto em reportagens sobre as novas gerações: quatro crianças, de quatro a dez  anos, sentadas no sofá, lado a lado, todas com seu tablet na mão. Isoladas?  Absolutamente não, pois elas estavam jogando e trocando e informações entre  si.

Se bem aplicados e com utilização bem dosada, os aparelhos eletrônicos e a  tecnologia podem contribuir para o desenvolvimento cultural, desde a infância  até a terceira idade (ou, como alguns dizem, a “feliz idade”). E essa é uma  tendência também das comunicações corporativas.

Desde o fim de 2013, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vem buscando  disciplinar o uso da internet como plataforma para a publicação dos atos  corporativos. Primeiro, foi a vez dos fatos relevantes (Audiência Pública n° 08,  de 2013 – já encerrada). Agora, está em pauta as ofertas públicas iniciais de  ações (Audiência Pública n° 12, de 2013 – ainda aberta).

Sem dúvida, a internet, como uma maneira de democratizar as comunicações e a  oferta de informações, é uma tendência nas publicações corporativas, assim como  é na mídia e nos demais meios de comunicação de uma maneira geral. No âmbito do  mercado de capitais, a internet pode proporcionar que as informações sobre as  companhias abertas sejam imediatas e completas (integrais).

Por outro lado, o excesso de liberdade que a internet também proporciona pode  ser uma ameaça à adequada comunicação das empresas com os acionistas, os  investidores e o mercado. Desde o perigo de invasão de “hackers” e a divulgação  de informações falsas até a proliferação de ruídos que podem acabar por esconder  ou dificultar o acesso às informações relevantes.

Em razão dessas ameaças, a CVM precisa estar diligente na disciplina da  publicação por meio da internet, assim como nós ditamos as regras para que  nossas crianças, filhos ou não, possam se deleitar da tecnologia atual.

Seguem alguns exemplos:

Com relação à informação de fatos relevantes, a CVM propôs que eles pudessem  ser divulgados em três portais de notícias na internet, em substituição à  publicação em jornal impresso. Tal divulgação pode ser o suficiente, desde que  haja uma regulamentação sobre a forma de publicação nos portais de notícias  (padrão mínimo de apresentação, como existe hoje para o jornal impresso) e que  esses portais sejam devidamente cadastrados na própria CVM, como acontece, por  exemplo, com os auditores independentes. Esse cadastro é importante por  existirem milhares de portais de notícias, o que pode fazer com que informações  relevantes se percam no oceano da internet.

Quanto à oferta inicial de ações, a CVM substitui a publicação em jornal  impresso pela divulgação nos portais da emissora, do ofertante, da instituição  intermediária responsável pela oferta ou, se for o caso, das instituições  intermediárias integrantes do consórcio de distribuição, das entidades  administradoras de mercado organizado de valores mobiliários onde os valores  mobiliários da emissora sejam admitidos à negociação da CVM. Da mesma forma, a  divulgação nesses meios, ainda que virtuais, podem ser o suficiente, sendo  necessário, contudo, regulamentar formato da informação e o devido destaque que  deve ser dado nos portais a essa informação.

No caso específico da oferta inicial de ações, como forma de incrementar a  participação dos investidores individuais no mercado de capitais, seria  conveniente que um aviso de início de oferta de distribuição de ações, ao menos  um sumário, fosse mantido em jornal impresso de grande circulação. Com isso, a  informação seria a mais ampla possível.

De qualquer forma, a proposta da CVM deve ser apoiada, especialmente porque,  por um lado, capta a tendência da comunicação de uma maneira geral e, também,  porque iniciou a mudança por informações cuja publicação em jornal impresso não  é exigida por lei, como acontece, por exemplo, no caso das demonstrações  financeiras.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

,,,,,,